• E-bit
  • E-bit
  • E-bit
  • E-bit

As DJs que estão tomando a cena eletrônica

Este post foi publicado em Mercado, Novidades

08.03_DJ Mulher

Estamos em 2018, mas ainda é incomum ver mulheres comandando as pickups de grandes festivais e clubes renomados. Ainda bem que este cenário está mudando e as artistas da EDM estão tendo maior reconhecimento, cedendo seu talento para a expansão da cena.

Conheça abaixo 6 DJs (entre tantas outras) que vieram para mostrar que lugar de mulher é onde ela quiser!

A garota dos dedos de ouro,
Annie Mac

Atração da BBC Radio 1 desde 2004, Annie Mac é uma espécie de “Rei Midas” da música eletrônica: tudo o que ela toca (ou apresenta) dá dinheiro! A série de compilações Annie Mac Presents foi responsável por divulgar diversos artistas da EDM que se tornaram muito relevantes na cena posteriormente. Annie também já foi premiada como Melhor DJ Feminina no Drum & Bass Awards pela sua contribuição ao estilo - incluindo sua influência para a nova geração da bass music.

As fazedoras de hits,
NERVO

As gêmeas australianas passaram da Opera Australia Academy para o mundo do EDM e logo dominaram a cena. Elas escrevem não apenas os seus próprios hits, mas também assinam os de vários outros artistas como Britney Spears e Nicole Scherzinger. Chegaram ao topo das paradas do Reino Unido com a música “We’re All No One” para Afrojack e Steve Aoki e receberam um Grammy pelo hit estrondoso “When Love Takes Over”, de David Guetta e Kelly Rowland.

A alta sacerdotisa do Techno,
Nicole Moudaber

Nascida na Nigéria, Nicole encontrou sua vocação após mudar para Londres já adulta. Poucos anos depois do seu primeiro contrato com uma gravadora, ela lançou seu próprio selo - a MOOD Records, responsável pelo debut de incontáveis DJs em seus meros 5 anos de existência. Moudaber também comanda um premiado programa de rádio, o In The MOOD, e apoia o NYC’s Lower Eastside Girls Club, que ajuda mulheres com poucos recursos a seguir sua paixão pela música.

A multiprofissional russa,
Nina Kraviz

Antes de ser DJ, Nina foi apresentadora de programas de rádio, escreveu para um fanzine e atuou como dentista dos astronautas russos. Seu álbum de estreia foi lançado em 2012 e sua gravadora em 2014, um ritmo vertiginoso até para o mercado EDM. Em 2013, o vídeo de apresentação Between The Beats: Nina Kraviz levantou discussões importantíssimas e muito necessárias sobre feminismo e sexualidade na música eletrônica.

A desbravadora de fronteiras,
Cinara Martins

Sendo influenciada principalmente pelo Hip Hop, a DJ Cinara é residente no clube Black Bom Bom desde 2006, além de se apresentar mensalmente ao lado das lendas paulistanas DJ Cia (RZO) e KL Jay (Racionais MCs). Foi a primeira mulher a chegar a uma final nacional do maior campeonato de DJs do mundo, o Red Bull 3style, e já foi logo campeã. Depois, foi a primeira brasileira a chegar à final mundial do campeonato. E como se fosse pouco, foi bicampeã e representou o Brasil mais uma vez na final mundial - com um set que contava com a gravação de um telefonema da mãe dela!

A gigante Underground,
ANNA

DJ desde os 14 anos, ANNA possui uma sólida carreira e muito reconhecimento internacional - no Brasil, seu sucesso chegou depois. Ela é a típica artista de exportação, que foi aconselhada a incorporar elementos mais comerciais para ser aceita na cena nacional e preferiu mudar de país a alterar sua personalidade musical. Sua forma de expressão foi certeira: ANNA está presente no TOP 50 da House Mag Brasil, foi a primeira mulher a ser premiada na categoria “Melhor DJ Underground” no Rio Music Conference e foi indicada ao primeiro Women Music Event Awards by Vevo.

Postado em 08/03/2018  |  0 comentários

Comentários